Lideranca- O sucesso do Síndico

12/03/15 14:44

LIDERANÇA – O SUCESSO DO SÍNDICO

Neste artigo vamos mostrar para você que o Síndico deve ser um líder!

Você já verificou que hoje em dia existem condomínios cada vez maiores? Alguns até com dezenas de empregados próprios ou terceirizados?

E você o Síndico, trabalha sozinho?

— É claro que não! Tem os subsíndicos e os conselheiros que colaboram comigo!

Neste artigo LIDERANÇA – O SUCESSO DO SÍNDICO, vamos mostrar para você, como o Síndico pode ser o líder desse grupo de colaboradores. Ainda mais, para obter sucesso você tem de motivar esse pessoal a realizar as tarefas planejadas, deve estabelecer as prioridades e também deve propiciar um bom ambiente de trabalho para esse grupo de colaboradores de forma que eles não só se disponham a executar as ações planejadas como também tenham prazer no trabalho que estão desenvolvendo.

— Puxa, nunca pensei uma coisa dessas! Quer dizer então que se eu liderar essa equipe de colaboradores o resultado final poderá ser bem melhor do que todos poderiam imaginar?

Corretíssimo!

Observe então que o Síndico deve:

Despertar em si mesmo a importância do seu cargo como responsável pela motivação da sua equipe de trabalho formada pelos Subsíndicos, Conselheiros e outras pessoas que eventualmente estejam dispostas a colaborar.
Conscientizar seu grupo de trabalho sobre o estabelecimento de metas, prioridades e obtenção de resultados.
Liderar o grupo de trabalho permitindo e incentivando maior participação de cada um dos membros, procurando obter maior produtividade e resolução efetiva de problemas.
Facilitar o processo de comunicação entre os colaboradores, procurando manter um ambiente de trabalho sadio e prazeroso.
Enfim, obter de seu grupo de trabalho um elevado desempenho e um excelente nível de satisfação.

— Caramba!… Isso parece que vai ser melhor do que na empresa onde eu trabalho!

Veja, para começar, um dos conceitos de liderança: liderança é a realização de atos que auxiliam o grupo a atingir os resultados desejados.

— Estou começando a gostar! Vamos em frente, amigo! Diga-me uma coisa: existem tipos diferentes de líderes?

TIPOS DE LIDERANÇA Existem vários tipos de liderança, entre os quais temos:

LIDERES AUTORITÁRIOS O líder determina as ideias e o que será executado pelo grupo. O líder neste caso é uma pessoa autocrática, é o príncipe: ele manda e os demais obedecem. Numa situação crítica o estilo autocrático geralmente é mais eficiente: para apagar um incêndio são necessárias decisões rápidas e impositivas.

— Gostei do “príncipe”! O líder autoritário é o mandão! Ele manda e não pede! Até parece o meu chefe!

LIDERES DEMOCRÁTICOS Neste estilo o líder apresenta a situação, os objetivos e metas a serem alcançadas; em seguida apresenta as alternativas e discute com o grupo quais as melhores opções. O grupo tem condições de participar ativamente, porém dentro do panorama traçado pelo líder.

— Acho que esse é um líder melhor, pois ele vai trabalhar junto com o grupo!

Como os colaboradores participam ativamente neste estilo o trabalho da equipe no conjunto se sobressai o que gera satisfações para todos os participantes.

LIDERES LIBERAIS Este estilo é caracterizado pela extrema liberdade que o líder oferece ao grupo, apenas sugerindo e não tendo qualquer ascendência sobre os colaboradores. Este estilo somente funciona se o grupo estiver formado por pessoas altamente qualificadas, seguras e que tenham condições de tomar as decisões por conta própria. É um estilo que pode apresentar excelentes resultados, porém na prática é muito difícil e raro encontrar um grupo onde as pessoas sejam altamente qualificadas, seguras, motivadas.

— Bom… Pensando num condomínio, onde as pessoas se dispõem a trabalhar sem remuneração, acho que seria muito difícil encontrar várias pessoas altamente qualificadas para compor a equipe de trabalho!

Você tem razão, mas não fique desanimado. Você é o líder e como tal tem que resolver as dificuldades do grupo. Analise sua equipe e procure tirar o melhor proveito da qualificação de cada um dos colaboradores!

Você tem de saber delegar, então distribua as tarefas observando a qualificação de cada pessoa. Não tenha medo de procurar assessoria especializada quando for necessário!

— Mas como é esse negócio de delegar?

DELEGAÇÃO Delegar é conceder autoridade a outra pessoa, ou seja, você transfere poder de decisão e autoridade para que essa pessoa faça uma determinada tarefa.

O importante a observar é que você transfere AUTORIDADE, nunca transfere RESPONSABILIDADE. A responsabilidade pela boa execução da tarefa será sempre sua!

— Exemplificando: eu peço para um dos conselheiros fazer o projeto de recuperação da fachada de um dos blocos, certo? Para isso dou autoridade para ele consultar vários fornecedores e escolher um desses fornecedores para realizar o trabalho, correto?

— Quando ele apresentar o projeto, a equipe analisa o projeto e em conjunto tomamos a decisão final!

Ótimo! Você pegou o espírito da coisa!

CONTROLE DA EXECUÇÃO Quando você delega autoridade para alguém realizar uma tarefa, você tem de antecipadamente estabelecer uma maneira de controlar a execução. Sem o controle a possibilidade de chegar a um mau resultado é muito grande. Para isso a tarefa a ser executada deve ter uma meta, ou seja, um prazo de execução, para você e a equipe ficar a par do andamento dos trabalhos.

— Até aí eu compreendi, mas eu queria que você voltasse um pouquinho e me explicasse como eu escolho o tipo de líder que eu devo ser?

Você escolhe de acordo com as circunstâncias do momento!

QUAL ESTILO DE LIDER É O MELHOR? Em momentos de crise ou de intensa pressão o estilo autocrático é o mais indicado até que a instabilidade seja superada. Em momentos de estabilidade e de menor pressão o estilo democrático é o mais indicado e, se a equipe for altamente qualificada, pode ser adotado o estilo liberal.

— Você está brincando: então eu tenho de ser um líder autocrático, democrático e liberal ao mesmo tempo?

Vamos dar um exemplo! Um dos grandes clientes da sua empresa está esperando para hoje a entrega de um grande lote de mercadorias! É uma promoção divulgada amplamente pela Televisão! Por um erro de logística a expedição faz a entrega das mercadorias erradas!

Nesse exato momento você está usando o jaleco do líder democrático! O que você faz? Você convoca uma reunião com a equipe para discutir qual a melhor solução? Ou você vai até a expedição, para tudo e manda entregar imediatamente as mercadorias corretas?

— Você me botou numa fria! Nesse caso é lógico, vou até a expedição e MANDO consertar o erro imediatamente!

Nesse momento você colocou o jaleco do líder autocrático, ou seja, autoritário, mandão! Passada a crise, você coloca novamente o jaleco do líder democrático e continua seu trabalho!

— Esse exemplo deu para entender, mas eu prefiro mesmo voltar a ser rapidamente um líder democrático!

EQUIPE Você saberia me dizer o que é uma equipe?

— Deixa comigo… É um monte de pessoas trabalhando juntos!

Não passou nem perto!

Equipe é um conjunto de pessoas que trabalham num determinado projeto, cada uma delas exercendo uma função e oferecendo ideias e sugestões para que o projeto final seja bem sucedido.

— Então o resultado final será mérito de todos e não apenas do líder do projeto ou de uma pessoa em particular!

Toda equipe precisa de um líder, quer seja eletivo ou natural. O líder, entretanto, precisa de um corpo de colaboradores ativos que o ajudem a realizar os projetos, botando a mão na massa. O líder não consegue fazer o trabalho sozinho ele trabalha junto com a equipe.

— Mas… E se a equipe não colaborar?

Observe que se os elementos da equipe apenas ouvem o líder, o líder não tem uma equipe. Se os elementos da equipe apenas sugerem e não se ativam para a realização, o líder não tem uma equipe. O líder necessita de pessoas ativamente operacionais e não simples observadores ou palpiteiros.

Num restaurante, por exemplo, para que a comida chegue à mesa do cliente torna-se necessário o trabalho de uma equipe de pessoas, entre as quais: o chefe que idealiza o cardápio, os cozinheiros, os lavadores de prato, os compradores de mantimentos, os faxineiros, os garçons, os ajudantes de garçom. Todos eles são peças fundamentais para que o cliente seja bem servido, fique satisfeito e tenha disposição para retornar ao mesmo restaurante futuramente.

Para fazerem parte da equipe, os elementos dessa equipe devem receber e tratar as informações racional e emocionalmente; devem aceitar críticas e opiniões conflitantes com naturalidade, pois elas fazem parte do processo de trabalho em equipe; devem procurar aprender com as opiniões de terceiros para que o seu jogo de cintura e flexibilidade torne-se cada dia melhor. É aprendendo que se evolui.

O líder deve saber reconhecer e aproveitar as oportunidades, para isso ele deve:

Ser receptivo às mudanças, tornando-as parceiras do seu sucesso;
Manter seus parceiros tão receptivos às mudanças, tanto quanto ele mesmo;
Manter o trabalho da equipe num ambiente leve e produtivo;
Estimular a criatividade de seus colaboradores, receber sugestões, ideias e críticas aproveitando-as para melhorar o seu desempenho e o da equipe;
Procurar oportunidades para elogiar o trabalho de seus colaboradores, motivando-os assim a se tornarem cada vez melhor;
— Acho também que o líder não deve ter receio de enveredar por caminhos ainda inexplorados, para não permanecer na mediocridade do “só faço o que sempre foi feito”, perdendo a oportunidade de alcançar um sucesso realmente verdadeiro!

REVISANDO OS TIPOS COMUNS DE LIDERANÇA

AUTORITÁRIO É aquele líder que manda não pede. Está focado exclusivamente na realização das tarefas, não importa quem vai fazê-las. Sua regra máxima é: quem pode manda; quem tem juízo obedece! Este é um tipo de líder bom para os momentos de crise aguda.

DEMOCRÁTICO É o líder focado nas pessoas, estimulando-as a criar, inovar, sugerir, participar das decisões a serem tomadas pela equipe.

LIBERAL É o líder que dá total liberdade aos seus colaboradores, permitindo que eles realizem suas tarefas sem supervisão muito próxima. Este estilo de liderança exige que o líder tenha plena confiança em seus colaboradores e que estes sejam altamente qualificados, pois trabalharão quase sem supervisão.

— Qual dos estilos é correto? Todos os estilos são corretos.

— Qual o melhor estilo? Todos os estilos são bons.

— Então que estilo o líder deve adotar ou desenvolver?

Deve adotar ou desenvolver os três estilos e aplica-los nos momentos adequados: num momento de crise o líder deve ser autoritário: a coisa tem de ser feita e fim de papo. Numa situação de estabilidade o líder deve ser democrático. Numa situação não de crise, mas de desenvolvimento o líder pode ser liberal.

Em quaisquer dos casos, entretanto, o líder tem de ter consciência de que ele é sempre o responsável final pelos resultados alcançados pela equipe, lembrando sempre de agradecer e elogiar os colaboradores pelos bons resultados e assumir a responsabilidade pessoal pelos resultados negativos.

EMPATIA NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Na psicologia e nas neurociências contemporâneas a empatia é uma “espécie de inteligência emocional” e pode ser dividida em dois tipos: a cognitiva – relacionada à capacidade de compreender a perspectiva psicológica das outras pessoas; e a afetiva – relacionada à habilidade de experimentar reações emocionais por meio da observação da experiência alheia”.

Em outras palavras, empatia é a capacidade psicológica de perceber os sentimentos, necessidades e emoções de outra pessoa, colocando-se na mesma situação vivenciada por ela.

A empatia faz com que as pessoas se ajudem umas às outras.

Conhecer melhor as pessoas, seja nosso chefe ou subordinado, conhecer seus desejos, seus sonhos, faz com que nosso relacionamento seja colocado em um patamar mais elevado, proporcionando melhores resultados para ambas as partes.

Historicamente sabemos que alguns líderes fizeram uso da empatia, manipulando grandes massas em seu proveito próprio. Mas sabemos também que isso foi um mau uso da empatia.

A empatia deve ser usada para benefício mútuo. Por exemplo, o chefe conhecer melhor seus subordinados e poder, assim, orientá-los com maior propriedade, permitindo-lhes desempenhar tarefas mais adequadas a seus perfis.

Por outro lado os subordinados devem conhecer seu chefe e usar a empatia para melhor colaborar com ele. O resultado disto será uma equipe mais coesa, mais forte, mais afinada, mais eficiente.

A empatia não nos obriga a sempre dizer “SIM”. Temos também de aprender a dizer “NÃO”, apresentando argumentos justos e convincentes para não cairmos na armadilha de sermos manipulados.

DELEGAÇÃO DE TAREFAS VERSUS AUTORITARISMO A fronteira entre saber delegar ou ser autoritário é uma linha bastante frágil, tênue, quase invisível.

Para distribuir tarefas o líder deve ter confiança nos colaboradores. Deve estar consciente de que eles poderão tomar decisões que o próprio líder tomaria e até mesmo poderão tomar decisões melhores do que as que o líder poderia tomar. Isto é bom e o líder deve aceitar, principalmente porque conseguiu inspirar em seus colaboradores um comportamento altamente desejável e que vai resultar no fortalecimento da equipe. Se a equipe ganha, o líder e seus colaboradores também ganham. Se a equipe se fortalece, o líder e seus colaboradores também se fortalecem. Com isso a equipe terá maior probabilidade de alcançar seus objetivos e metas e todos sairão ganhando.